23 maio 18
As cores do armário

Entre máscaras e cabides, como viver escondido entre ser herói e vilão?

O filósofo inglês Francis Bacon disse uma vez que “todas as cores concordam no escuro”. Em tempos de intolerância e de iniquidade, qualquer sombra torna-se mais acolhedora que um pequeno feixe de luz. Mas a custo da felicidade de quem? Dos olhares de repreensão de quem enxerga aquém, ou dos que se inibem por receio de se tornarem uma decepção na paleta de cores moldada pelo próximo?

O aconchego do armário vai muito mais além que os cobertores dobrados para amaciar o medo e transformá-lo em ternura. É como se cada peça de roupa pendurada em um cabide fosse uma verdade velada e protegida por um material impermeável de ações e reações. Ledo engano. Nem mesmo a textura mais macia pode resistir às sujidades porta à fora da madeira, da vida ou de quimeras o coração.

Redescobri, recentemente, quem foi meu primeiro crush na infância: Tuxedo Mask. Enquanto inocente, assistia à Sailor Moon, na extinta TV Manchete, com a mesma intensidade de que, em algum momento, eu encontraria um gato-falante pela rua, o qual me revelaria ser um guerreiro da Lua. Não encontrei. Não me transformei. Tampouco travei uma luta entre o bem e o mal. Mas conheci Tuxedo Mask.

Crianças não demandam a plena consciência do que é a paixão entre duas pessoas – e muito menos do que é o amor visto e televisionado. Ao meu olhar, quando via Tuxedo e Sailor Moon – Darien e Serena –, eram apenas dois estranhos motivados por um propósito que os faziam ser importantes um ao outro (duvido que com esses termos, mas era este o significado).

O herói mascarado e munido de rosas despertava-me a vontade de ser salvo – mesmo sem haver um perigo ou entender o porquê daquilo. Afinal, ele era um rapaz. E eu também. Isso era errado, certo? Não cresci em uma redoma de preconceitos, mas, ao meu redor, tinha apenas como exemplo o convívio de casais compostos por homens e mulheres. Então, como o desenho havia horário para começar e terminar, meus pensamentos sobre ser salvo por Tuxedo também eram datados de tempo.

Esqueci-me da capa preta e das rosas, porém vivi escondido por uma máscara. Fui meu próprio herói e vilão; fui e continuo o único responsável pelas roupas que tiro do armário, assim como o reflexo do que projeto ao espelho. Fui ‘Bela’; fui ‘Fera’. Fui a expectativa de uns; a certeza de outros; as incertezas de mim; as consequências de como nasci.

O armário não aquece, pelo contrário, esfria a alma. Gavetas não são seguras – bastam dedos para abri-las e escancarar seus maiores pertences. Meias de lã não podem protegê-lo do frio do piso invisível. Cabides penduram e perduram sonhos esquecidos. Prateleiras acumulam histórias em caixas, cujas tampas o distanciam ainda mais de um presente sorrateiro. Portas são convencionais até alguém abri-las junto a você, colocar a mão sobre a sua e mostrar que não está sozinho no escuro. Há cor onde você deseja colorir.

Não há aqui uma discussão sobre sexualidade, mas sim, uma conversa sobre acertos e incertos sobre o coração. Sentimento não é um arquivo para decidir se irá imprimi-lo em preto e branco ou colorido, mas um apanhado de pixels prontos a saírem de um disquete e ganharem um tom de azul vivo, que ofusque o branco das nuvens. Já as sombras não passam de pessoas com olhares divagados sem a compreensão do arco-íris de oportunidades cuja acepção acopla a vida.

O armário é preciso para conhecer-se – e dispensável quando a autoafirmação do que está dentro de você ecoa mais forte que mil orquestras juntas. A dicotomia da dúvida não desaparece em uma piscadela, porém criam-se certezas as quais sobressaem-se às inquietudes, principalmente, quando surgem razões àquilo que desconhecemos. Pode não ser amor; pode não ser alguém; pode não ser Tuxedo Mask – mas será você sem a máscara vendo a verdade tornar-se poder.

Acredite: as cores se encontram fora do armário.

 

━━━ ❤ Escrito com amor por Gui Zambonini.

 

Não Sou Invisível é uma coluna de desabafos. Se tiver interesse em contribuir, basta mandar uma mensagem para: blogbelaeferas@gmail.com.

Contra as Feras
Conversas, histórias, empoderamento e inspiração na voz daqueles que também possuem muito o que dizer sobre suas batalhas diárias contra as feras.
Recomendados para você
Deixe sua opinião sobre o post
SIGA NO INSTAGRAM
@contraferas